Yahoo é acusada de fornecer e-mails de usuários ao governo dos EUA.

Yahoo

Yahoo

Isso mesmo! A mega empresa de tecnologia Yahoo pode ter desenvolvido um programa para escanear os e-mails pessoais de seus usuários. Em matéria exclusiva publicada pela Reuters, fontes relacionadas ao caso afirmam que o conteúdo dos e-mails foi repassado ao serviço de inteligência americana.
Fontes afirmam que empresa escaneou conteúdo de milhões de emails pessoais.
Por ordem da Agência de Segurança Nacional (NSA) ou do FBI, segundo dois ex-funcionários da empresa e uma terceira fonte anônima, centenas de milhões de contas foram escaneadas em 2015 pela Yahoo.

Yahoo agora está sob pressão.

Alguns especialistas em vigilância afirmam que a suspeita representa o primeiro caso revelado de uma organização que concorda com o pedido de uma agência de espionagem para repassar mensagens pessoais recebidas.

Segundo a Reuters, não se sabe quais informações específicas as agências buscavam, apenas que um conjunto de termos fazia parte da investigação. “A Yahoo é uma empresa cumpridora da lei e está em conformidade com as leis dos Estados Unidos”, afirmou a empresa em comunicado.

A agência de notícias não conseguiu determinar quais dados a empresa chegou a entregar às autoridades ou se o pedido também foi feito a outras corporações.
A empresa cumpriu com uma diretriz secreta do governo dos EUA, pesquisando centenas de milhões de contas do Yahoo Mail por ordem da Agência Nacional de Segurança ou da agência federal norte-americana, o FBI, disseram dois ex-funcionários e uma terceira pessoa informada sobre os eventos.

Alguns especialistas em vigilância disseram que isto representa o surgimento do primeiro caso de uma empresa de Internet norte-americana a concordar com exigência de uma agência de espionagem para pesquisar todas as novas mensagens, em vez de analisar emails armazenados ou um pequeno número de contas em tempo real.
A exigência de busca nos emails do Yahoo veio na forma de uma diretriz confidencial enviada ao departamento jurídico da empresa, de acordo com as três pessoas familiarizadas com o assunto.

As empresas de telefonia e Internet dos EUA entregaram dados de usuários para agências de inteligência, mas alguns ex-oficiais do governo dos EUA e especialistas em vigilância particulares disseram que não viram anteriormente uma diretriz tão ampla para a coleta de dados em tempo real ou uma que exigisse a criação de um novo programa de computador para isso.

Desafiando a NSA

Sob a legislação que inclui as emendas de 2008 ao Ato de Vigilância de Inteligência Estrangeira, as agências de espionagem dos EUA foram autorizadas a pedir que as empresas de telefonia e Internet forneçam dados de clientes para ajudar esforços de coleta de informações estrangeiras por várias razões, incluindo a prevenção de ataques terroristas.

Revelações do ex-prestador de serviços da NSA Edward Snowden e outros expuseram a extensão da vigilância eletrônica e levaram as autoridades dos EUA a recuarem modestamente em alguns dos programas, em parte para proteger direitos de privacidade.

Empresas incluindo o Yahoo questionaram algumas das vigilâncias secretas diante do Tribunal de Vigilância de Inteligência Estrangeira, uma corte secreta.

Alguns especialistas disseram que o Yahoo poderia ter pelo menos questionado contra a diretriz do ano passado em pelo menos duas áreas: a amplitude da demanda e a necessidade de criar um programa especial para pesquisar os emails de todos os usuários em trânsito.
Em um incidente separado, o Yahoo afirmou no mês passado que hackers “patrocinados por um Estado” tinham obtido acesso a 500 milhões de contas de usuários em 2014. As revelações levaram a novos questionamentos sobre as práticas de segurança do Yahoo, que tenta completar um acordo para ser vendido para a operadora de telecomunicações Verizon Communications por 4,8 bilhões de dólares.

De qualquer forma, o incidente afeta diretamente o direito e os termos de privacidade dos usuários, por isso é fato que a Yahoo terá muito o que explicar juridicamente e na mídia.