3 dicas para começar uma Startup do zero

startup

Dizer “sim” ficou mais fácil. A Joy, uma startup que pretende ser uma plataforma única para as noivas, arrecadou US$ 4,5 milhões em financiamento. Como não existe um espaço digital para as noivas e suas famílias interagirem e lembrarem de um dia tão importante, a novidade promete ser uma sensação para qualquer casal.
O cofundador e CEO da empresa, Vishal Joshi, falou sobre a criação bem-sucedida de uma solução para um setor que não viu inovações tecnológicas por anos. Joshi se casou mais de uma década atrás, quando os smartphones não tinham presença tão marcante quanto agora. Embora tenha se passado um bom tempo desde então, o empresário conhece muito bem seu público. Então, ele criou o aplicativo, que funciona como uma espécie de assistente da futura noiva. Mas, como ele apresentou a ideia ao mercado, de forma a atrair a atenção de vários investidores?

Em primeiro lugar, Joshi foi muito claro quanto à intenção de trazer uma experiência divertida para todos aqueles que participam do casamento. Seu objetivo é conectar amigos e familiares antes da cerimônia, para que, no grande dia, todos estejam bem familiarizados. “Queríamos aproximar amigos e familiares”, conta. O empresário também pensou no pós-casamento. Em vez de procurar por alguém que conheceu durante a celebração ou caçar fotos da pessoa no Facebook, o Joy permite o compartilhamento do conteúdo com todos os que participaram do evento. “O que esperamos e queremos é que o app reúna tudo sobre o casamento em um só lugar”, diz.

Muitos casais precisam lidar com vários aspectos do planejamento, desde a recepção até a administração de uma lista de convidados e a escolha dos vestidos das damas de honra. Joshi achava que seria muito mais fácil ter tudo em um só lugar. “Do dia do noivado até a lua de mel, e a cada passo, as pessoas precisam unir as coisas”, explica.

Em segundo lugar, Joshi realmente conhece as futuras noivas. Para ser exato, ele tem contato com cerca de 150 mulheres com data de casamento marcada por dia. “Elas conversam conosco, nos contam sobre seus problemas. Somos quase como alto-falantes empenhados em dar voz a elas”, explica. Joshi e sua equipe de sete pessoas passaram muito tempo conversando com noivas e ouvindo suas preocupações. Precisa saber sobre uma certa tradição? Não consegue encontrar uma paleta de cores específica? Quer algumas ideias para a decoração? Precisa apenas aliviar uma angústia? O Joy pode ajudar com tudo isso.

Outro objetivo de Joshi era criar algo excepcionalmente belo. “Se pararmos para pensar, usamos plataformas visualmente agradáveis como Pinterest, Facebook e Instagram no dia a dia. Tiramos foto de comida, de passeios e de demais atividades usando essas ferramentas incríveis. Infelizmente, os mesmos padrões não existem para o evento mais importante de nossas vidas. O Joy quer garantir que tornemos a versão digital da cerimônia tão bonita quanto a versão física”, diz. O site permite personalizar a experiência para atender ao gosto e estilo de cada casal.

O que fez do Joy um sucesso no setor é o quão relativos são os altos e baixos no planejamento de um casamento. Quando Joshi deixou a Microsoft, seus colegas já haviam começado a expressar interesse em fazer parte da equipe e até mesmo oferecer dinheiro para o pontapé inicial. Ele foi procurado pela Y Combinator, que ajudou no lançamento do aplicativo e, em seguida, lançou oficialmente a plataforma.

Você se considera um EMPREENDEDOR? Tem uma ideia e não sabe como tirar do papel? Veja estas 3 dicas que a Forbes Brasil publicou para você, que deseja abrir uma startup e ampliar seus horizontes.

1. Faça algo que as pessoas querem

Este é um mantra diário para quem é parte da Y Combinator. Joshi explica que você deve criar algo que as pessoas querem, não apenas algo que seja do seu interesse ou apenas para ter um projeto concretizado.

2. Não faça pelo dinheiro

“Eu não saberia dizer se construir algo apenas para ganhar dinheiro é uma coisa boa”, diz Joshi. Se você fizer isso pelo retorno, você pode acabar se queimando rapidamente.

3. Seja claro sobre o que você está realizando

Saiba se você está construindo uma corporação gigante ou algo em uma escala menor, mas que o fará feliz. Joshi conta que encontrou muitos empresários frustrados com o fato de ninguém apoiar suas ideias. Ele diz que é preciso pensar como um capitalista de risco. Eles querem saber se uma ideia vai se tornar uma empresa bilionária. Não é caridade. Pergunte a si mesmo se a ideia é viável ou se a sua paixão pode ser lucrativa sem ela.

Fonte: Forbes Brasil